quarta-feira, 20 de agosto de 2008

"A Espada de Fortriu" de Juliet Marillier

Resumo:
"A Espada de Fortriu" é o segundo livro da saga "As Crónicas de Bridei", que é narrado no reino dos Pictos (Escócia) - Fortriu. Inspirado numa poderosa figura histórica, contemporânea do célebre Rei Artur, Bridei é uma imagem de liderança e de carisma.
Esta é uma criativa e intrigante história merecedora de aplausos por imensos fãs já conquistados. Neste livro podemos acompanhar os primeiros seis anos do reinado de Bridei como rei de Fortriu, reinado que agora será testado com uma guerra desleal, onde a confiança e a traição são separadas por estreitos caminhos por onde Bridei terá de passar.

"A Espada de Fortriu cobre os primeiros seis anos do reinado de Bridei como rei de Fortriu. O reino de Fortriu gozou cinco anos de paz desde que Bridei chegou ao trono. Agora, o rei prepara-se para uma guerra há muito esperada que, segundo pensa, banirá para sempre do Ocidente os invasores Galeses. A princesa Ana, refém de Fortriu desde a sua infância, é enviada para Norte, para se casar, estrategicamente, com um líder que nunca viu, e com isso ganhar um aliado no qual se baseia a vitória de Bridei. A sua escolta é conduzida por um homem que ela despreza: o enigmático Faolan, assassino e espião de Bridei. A expedição está amaldiçoada, e quando chegou à fortaleza do chefe Alpin, situado no misterioso bosque de Briar Wood, ela sentia-se desassossegada. Este é um lugar repleto de segredos. Quando Ana descobre um prisioneiro enclausurado no mais desolado das prisões, encontra uma conspiração de silêncio. Entretanto, Faolan caminhava entre a ténue linha que separa lealdade e traição.
O exército de Bridei marchava para a guerra. Porém, foi revelado aos que ficaram para trás que o seu rei não somente caminhava em direcção à derrota, mas também para uma morte certa... o tempo urge e só existe um único mensageiro capaz de chegar a horas para evitar o desastre. Para alistar o seu serviço, Ana poderá perder o que lhe é mais querido."
----------------------------------------------------------------------------------
Biografia da escritora:
----------------------------------------------------------------------------------
Comentário:
Acabei de ler mais uma maravilhosa obra de Juliet Marillier. Ainda estou a saborear as últimas plavras da escritora. É um livro emociante não só pelas cenas de guerra descritas como também pela história de amor impossível vivida pelo braço direito de Bridei, Faolan.
Desta vez Bridei, rei de Fortriu foi passado para segundo plano e a história centrou.se em Ana e Faolan e de certa forma também em Drustan, irmão de Alpin.
Juliet Marillier na minha opinião é uma das melhores escritoras do seu género literário. Com maestria a autora recria com perfeição os cenários, as belas personagens e consegue, com um toque de magia, misturar lendas, mitos e histórias.
Estou ainda emocionada para escrever mais sobre este livro. Mas, garanto que para quem gosta do estilo, esta é não só uma obra de excelente entretenimento, como uma obra que irá realmente emocioná.los.
Arrisco.me a dizer que esta é uma triologia que vai ficar na minha memória sob a forma de "Os Favoritos", mas só depois de ler o último livro o poderei confirmar.
Vou agora (talvez amanhã), com muito pesar e alegria ao mesmo tempo, pegar no último livro da trilogia.
----------------------------------------------------------------------------------
Passagem:
"— Fomos nós, não foi? — perguntou, com uma sensação de perda no coração. — Drustan e eu afastamos-te. Isto é terrível, Faolan, cruel e errado. Sei o que Bridei representa para ti. Não podes deixar que o que aconteceu estrague essa ligação. O teu irmão morreu e essa morte levou um pouco do teu espírito. Não deixes que a fúria te roube um amigo tão próximo como qualquer irmão. Talvez julgues que fracassas.te na tua missão. Bridei não vai concordar. Pelo menos espera no Monte Branco, até que ele tenha oportunidade de to dizer.
Faolan soltou gentilmente as mãos, puxou o saco que tinha às costas mais para cima e virou-se.— Por vezes há coisas que não devem ser ditas — indicou. — Às vezes é melhor guardar silêncio. Tenho de partir. Sinto uma urgência, uma necessidade de regressar à corte rapidamente, mesmo sabendo que Bridei estará fora. Isso impele-me ainda mais do que...
— Ainda mais do que a tua aversão a veres.me e a Drustan juntos? - perguntou-lhe Ana, sem rodeios.
— Qual o casal de amantes que aprecia um observador permanente? - O tom era amargo. — Desejo.te o melhor. Adeus, Ana. — Com alguns passos sob as árvores, Faolan desapareceu de vista antes que a jovem conseguisse ganhar fôlego para responder, embora não fizesse ideia de qual poderia ser a resposta. Esperou por Drustan sentada na relva, as mãos à volta dos joelhos, tentando não aceitar a convicção cada vez mais forte de que, sem a presença de Drustan e de Faolan, faltar.lhe.ia sempre uma parte essencial do seu ser. A sua mente não o admitia, não podia ser verdade, estava longe de tudo o que esperara, era uma irregularidade num caminho futuro, que deveria estender.se de uma forma exacta. Nunca acreditara que pudesse ter a felicidade de encontrar um homem que viesse a amar como a Drustan, uma paixão inebriante que apagava tudo o resto. Quase tudo. Havia Faolan: o seu amigo mais querido, o companheiro sempre presente e forte, o seu complemento. Amparara.a quando o caminho se desmoronara a seus pés. A sua música fizera.a chorar. Os seus braços tinham afastado as trevas. Os olhos disseram-lhe... Os olhos disseram-lhe que ele a amava tal como Fionnbharr amava Aoife, a fada, com uma paixão profunda e inabalável. Soubera-o desde o dia na floresta em que o acusara de ciúmes. Era a força dos seus próprios sentimentos que lhe parecia nova e chocante. Algo tomara conta dela sorrateiramente, algo cujo significado apenas percebera naquele momento, depois de Faolan se ter ido embora. A deusa brincara com ela, trazendo-lhe não um, mas dois homens para amar. E, por mais que lhe custasse admiti-lo, parecia a Ana que precisava dos dois. Tal nunca poderia ser. Faolan tinha razão. Naquele jogo cruel a três, um deles destinava-se a ficar sozinho."

5 comentários:

Flicka disse...

Aiai... vou ter mesmo que começar a ler um livro desta autora!! Acho que já te falei uma vez que tenho um livro desta autora, o primeiro de uma trilogia sevenwaters. ;-)

Pedro disse...

Tenho mesmo uma vontade enorme de ler a trilogia!!!

Já li os livros de Sevenwaters e... Apaixonei-me!!!

Miar à chuva disse...

Mais uma exclente opinião desta autora! Começo a sentir uma certa urgência e curiosidade para ler os livros dela.
:-)

Sofia disse...

Tenho curiosidade em ler estes livros. Já li a Trilogia Sevenwaters e gostei bastante ;)

Boa opinião :D

Canochinha disse...

Adoro a Juliet Marillier, é uma das minhas escritoras preferidas. Se gostaste deste, de certeza que ainda vais gostar mais d'"O Poço das Sombras", que é simplesmente maravilhoso.

Gostei do teu cantinho e irei voltar :) Espero que não te importes que adicione o teu link no meu blog de livros!